Transtorno de personalidade antissocial

Transtorno de personalidade antissocial


Saiba como identificar e tratar essa condição

O que é o transtorno de personalidade antissocial?

Transtorno de personalidade antissocial (TPAS) é uma condição caracterizada por uma falta de empatia e consideração por outras pessoas. Pessoas com o transtorno de personalidade antissocial se importam pouco com o que é certo ou errado. Elas são hostis e frequentemente agem de maneira insensível.

Ferramentas comuns para pessoas com TPAS incluem a mentira, comportamento agressivo ou violento e participação em atividade criminosa.

 

Sintomas

Pessoas com transtorno de personalidade antissocial:

  • Podem começar a exibir sintomas na infância. Tais comportamentos podem incluir iniciar incêndios, crueldade com animais e desrespeito a autoridades
  • Geralmente têm problemas legais como resultado do fracasso em se adequar às normas sociais e da falta de consideração pelos direitos dos outros
  • Costumam agir impulsivamente e não considerar as consequências de suas ações
  • Apresentam irritabilidade e agressividade que frequentemente levam a ataques físicos
  • Tem dificuldade em sentir empatia por terceiros
  • Exibem falta de remorso por seu comportamento destrutivo
  • Frequentemente têm relacionamentos ruins ou abusivos com as demais pessoas e têm uma chance maior de abusarem ou negligenciarem seus filhos
  • Mentem e enganam para ganho pessoal frequentemente

Essas características geralmente causam grandes dificuldades em muitas áreas da vida. Em última análise, a incapacidade de considerar os pensamentos, sentimentos e motivações das outras pessoas pode levar a uma desconsideração destrutiva por elas.

Quando adulta, o transtorno pode ser destrutivo tanto para a própria pessoa quanto para os que têm contato com ela. Pessoas com transtorno de personalidade antissocial têm uma chance maior de se envolver em comportamentos arriscados, atividades perigosas e atos criminosos.

Aqueles com o transtorno são frequentemente descritos como não tendo consciência e incapazes de sentir arrependimento e remorso por suas ações.

 

Diagnóstico

Os sintomas do transtorno de personalidade antissocial geralmente começam na infância, embora o diagnóstico costume acontecer mais tarde na vida. Quando crianças, é comum que as pessoas com TPAS tenham violentos surtos de raiva, mostrem crueldade contra animais e pratiquem bullying com seus colegas.

Embora a condição possa começar na infância, ela não pode ser diagnosticada até os 18 anos. Crianças que exibem os sintomas acima são diagnosticadas com transtorno de conduta. Para receber o diagnóstico de TPAS, a pessoa deve mostrar desconsideração e violar os direitos de terceiros desde antes dos 15 anos. Essa desconsideração é indicada pela presença de pelo menos um dos sintomas abaixo:

  • Desconsideração pela segurança de si ou de terceiros
  • Desobediência à lei
  • Comportamento impulsivo
  • Irritabilidade e agressão
  • Falta de remorso pelas ações danosas
  • Mentir ou manipular terceiros para benefício próprio ou por prazer
  • Irresponsabilidade consistente

Além de apresentar pelo menos um desses sintomas, a pessoa deve ter pelo menos 18 anos no momento do diagnóstico e não apresentar comportamento antissocial como resultado de outro transtorno como o transtorno bipolar ou esquizofrenia.

De acordo com alguns críticos, os critérios de diagnóstico do manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-5) – manual usado pelos profissionais da área para diagnóstico de condições mentais – são muito focados em comportamentos criminosos.

Existe a preocupação de que o diagnóstico seja feito incorretamente em indivíduos com baixo status socioeconômico ou em ambientes urbanos nos quais o comportamento antissocial pode ser parte de uma estratégia de sobrevivência particular[1].

Por conta disso, é possível que a prevalência desse transtorno tenha sido superestimada.

 

Causas

As causas exatas do transtorno de personalidade antissocial são desconhecidas. A personalidade é influenciada por vários fatores, inclusive a herança genética e o tipo de criação recebida.

Genética

O TPAS é mais comum entre parentes biológicos de primeiro grau de uma pessoa que tem o transtorno do que na população em geral. Uma pesquisa apontou que o TPAS é fortemente ligado à linhagem genética e que influencias do ambiente provavelmente intensificam seu desenvolvimento[2].

Criação

A criação também pode ter uma influência significativa. Abuso na infância, negligência e trauma também foram ligados ao aparecimento do TPAS[3]. Se os pais de uma criança são abusivos e disfuncionais, a criança pode assimilar tais comportamentos e aplicá-los a seus próprios filhos no futuro.

Crianças que crescem em lares desorganizados e negligentes também perdem uma oportunidade de desenvolver seu senso de disciplina, autocontrole e empatia por terceiros.

Diferenças cerebrais

Uma variedade de fatores foi associada ao aumento no risco de desenvolver o transtorno, incluindo fumar durante a gravidez e atividade cerebral anormal.

Uma pesquisa sugere que pessoas com TPAS têm diferenças no lobo frontal, uma área do cérebro que influencia na capacidade de planejamento e julgamento[4].

Pessoas com o transtorno também tendem a exigir mais estímulos e podem procurar atividades perigosas ou ilegais para aumentar sua excitação ao nível ótimo.

 

Tratamentos

O transtorno de personalidade antissocial é difícil de tratar por uma variedade de motivos. Pessoas com a condição raramente procuram tratamento por conta própria. Aqueles que o fazem, costumam receber o tratamento apenas depois de algum tipo de conflito com o sistema legal.

Apesar de pessoas com TPAS geralmente se envolverem negativamente com a lei, uma pesquisa sugere que o encarceramento e outras medidas punitivas são bastante ineficientes uma vez que pessoas com a condição não respondem a punição[5].

Psicoterapia

A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) pode ser útil em auxiliar o indivíduo a ter uma nova perspectiva sobre seu comportamento e a mudar padrões de pensamento danosos[6].

Resultados efetivos aparecem apenas após um tratamento de longo prazo. Terapia em grupo ou familiar, assim como terapia baseada em mentalização - que se concentra na habilidade de reconhecer e entender o estado mental de si e de terceiros – também têm se mostrado promissores contra o TPAS[7].

Medicação

Medicamentos podem ser usados para tratar alguns dos sintomas que uma pessoa com TPAS pode sentir. Alguns exemplos de remédios passíveis de uso incluem:

  • Antidepressivos
  • Ansiolíticos
  • Antipsicóticos
  • Estabilizadores de humor

 

Convivência

O transtorno de personalidade antissocial geralmente tem um impacto relevante sobre a capacidade de funcionamento da pessoa, o que pode fazer com que muitos aspectos da vida sejam difíceis de lidar.

  • De acordo com o DSM-5, a condição pode resultar em encarceramento, lesão ou morte devido a ações danosas e/ou criminosas
  • Afeta a capacidade do indivíduo de trabalhar e de manter relacionamentos
  • O transtorno também tem o potencial de causar dano a amigos, colegas de trabalho e estranhos que possivelmente sejam prejudicados devido as ações da pessoa

A maioria das pessoas com TPAS não procura ajuda por conta própria e a intervenção costuma acontecer por motivos legais. Pesquisas sugerem que aqueles com melhores perspectivas são as pessoas que possuem apoio social forte e melhores laços com o cônjuge ou familiares[8].

Se você tem uma pessoa amada com sintomas de TPAS, talvez seja uma boa ideia você procurar um profissional da saúde mental. Ele poderá ensinar técnicas de convivência que ajudarão a te proteger de danos.

Para falar com um psicólogo profissional agora, clique aqui.

 

Fonte: What Is Antisocial Personality Disorder (ASPD)?

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário